Coaching para dentistas

A Ortodontia preventiva e interceptativa ainda é novidade para o público em geral. Não há o hábito de se levar as crianças ao ortodontista ou odontopediatra logo que os dentes permanentes começam a irromper (e até antes disso). Mas prevenir ou evitar uma má-oclusão é a melhor forma de abreviar e/ou facilitar um tratamento ortodôntico futuro com aparelhagem fixa, já que não se permite que um problema oclusal em evolução acabe se agravando.

Paciente E. K. Y., 8 anos. A mãe do paciente procurava orientação com relação ao elemento 11, que estava irrompendo lingualmente ao antagonista. Ao exame clínico, constatou-se a mordida cruzada.

Aspecto inicial

Realizados os exames de imagem iniciais, o paciente foi moldado para a confecção de aparelho removível acrílico com levante oclusal, arco vestibular e mola digital para vestibularizar o elemento 11. O 21 estava começando a irromper na ocasião.

Aparelho removível com mola digital

Após instalação e ativação da mola, o paciente retornou em 1 semana para reavaliação. Verificou-se que a mesma já se encontrava passiva e foi feita nova ativação. Em 2 semanas do começo do tratamento o dente já havia descruzado, faltando apenas alcançar a posição vestibular desejada, o que levou 40 dias.

Aspecto final

O uso de aparelhos removíveis em Ortodontia preventiva e interceptativa pode trazer resultados muito satisfatórios e rápidos, mas é preciso contar com a colaboração do paciente e/ou dos pais. No caso de E. havia essa colaboração, o que resultou num tempo curto de tratamento.

Aspecto inicial x final

No arco inferior, os incisivos laterais irromperam em posição lingualizada também, mas parece haver espaço para que a própria ação da musculatura lingual se encarregue de reposicionar os elementos. Foi agendada reavaliação em 6 meses. Embora em casos de vestibularização como esse não haja necessidade de contenção, pois a recidiva é incomum, o paciente foi orientado a apenas dormir com o aparelho (inativado) por mais 30 dias (recomendando à mãe que o filho não o usasse mais após esse tempo), já que ele achou a experiência de usar aparelho super divertida! 😉

A única ressalva fica por conta da higienização, que durante esse período parece ter piorado. Fez-se o alerta e orientação em higiene bucal junto ao paciente e à responsável.

Agradecimento especial

Obrigada a Dra. Renata Tassi, que fez as fotos. 🙂

Compartilhe: