Foi aprovado, na reunião plenária do Conselho Regional de Enfermagem do Distrito Federal (Coren-DF) realizada em maio, o Parecer Técnico 04/2017, que trata da aplicação, por enfermeiro, de laser de baixa intensidade no tratamento de mucosite oral em pacientes com câncer. Segundo o documento, a atividade deve ser “executada privativamente pelo enfermeiro no contexto de uma abordagem multiprofissional, desde que seja capacitado em cursos específicos, reconhecidos e em instituições regulamentadas”. A conclusão é baseada no Decreto 94.406/1987, que regulamenta a Lei do Exercício de Enfermagem (Lei 7.498/1986) e atribui ao profissional de nível superior os cuidados que exijam maior complexidade técnica.

Laserterapia no hospital

Mucosite

Durante ou após o tratamento oncológico, ocorrem complicações bucais nos pacientes, como dor, dificuldade no ato da mastigação, deglutição e fonação. As mucosites orais acometem entre 40% e 76% dos pacientes que fazem tratamento radioterápico ou quimioterápico. A laserterapia bucal é utilizada para tratar esse problema, caracterizado pela morte de células epiteliais e a redução de suprimento sanguíneo. Os efeitos terapêuticos do laser sobre os tecidos estimulam a atividade celular, aceleram a cicatrização de feridas e minimizam a dor.

Para as aplicações, são necessárias medidas de biossegurança tanto para o paciente quanto para o profissional, sendo fundamental a utilização de óculos e demais equipamentos de proteção individual, seguindo as normas da Associação de Normas Técnicas (ABNT). “Condiciona-se à aplicação dessa terapia o uso da Sistematização da Assistência de Enfermagem (Resolução Cofen 358/2009) e a criação e o estabelecimento de um protocolo operacional padrão”, finaliza o parecer.

Por que um enfermeiro e não um cirurgião-dentista?

Porque na maioria dos hospitais não tem dentista. E não é porque a gente não quer não, é porque… alguém RAIOS sabe o porquê? Faz algum sentido não ter dentista dentro de hospital como membro obrigatório e ESSENCIAL da equipe de saúde? Portanto, a luta pra inserir o dentista no ambiente hospitalar continua!

Clique no link abaixo pra votar SIM sobre o projeto de Lei da Câmara n° 34, de 2013, de autoria do Deputado Federal Neilton Mulim (PR), quer torna obrigatória a prestação de assistência odontológica a pacientes em regime de internação hospitalar, aos portadores de doenças crônicas e, ainda, aos atendidos em regime domiciliar na modalidade home care.

–> CLIQUE AQUI PRA VOTAR <–

Enfermeiros podem ajudar. Mas na maioria dos casos de problemas bucais, só um cirurgião-dentista é resolutivo.

O texto completo do Parecer Técnico 04/2017 está disponível no site do Coren-DF.

Compartilhe:

Comentários via Facebook